Dicas Litúrgicas

„ Liturgia é o culto sagrado que os antigos levitas ofereciam a Deus e que hoje é prestado pelo próprio Cristo, que se fez Sacerdote e Vítima de nova e definitiva Aliança, estendido até nossos dias pela celebração da Eucaristia, que unindo o nosso sacrifício ao de Cristo nos faz também “hóstias vivas”.

A Liturgia católica, instituída por Jesus, visa celebrar (= tornar célebre), dar importância, honrar, exaltar, em comunidade, a Santíssima Trindade de modo especial e celebrar os “santos mistérios”. O Concílio Vaticano II, através da Constituição Dogmática Sacrosanctum Concilium (SC) expôs de modo admirável o que é a Liturgia e como ela deve se realizar. Nela Deus fala a seu povo. Cristo ainda anuncia o Evangelho. E o povo responde a Deus, ora com cânticos, ora com orações.” (SC,13).

Pela Liturgia a Igreja celebra o mistério de seu Senhor “até que Ele venha” e até que “Deus seja tudo em todos”(1Cor 11,26;15,28). É uma ação sagrada, com ritos, na Igreja e pela Igreja, pela qual se realiza e se prolonga a obra sacerdotal de Cristo, para a santificação dos homens e a glorificação de Deus. (cf. SC,7) Assim, para celebrar bem a Liturgia é preciso ter uma profunda noção do que é o Cristianismo; o conhecimento da história da salvação, da obra de Cristo e da missão da Igreja.

As dicas Litúrgicas que iremos apresentar nas redes sociais da nossa comunidade nos próximos dias, tem como objetivo esclarecer e fortalecer a fé do povo de Deus, que muitas vezes desconhece ou tem dúvidas sobre os pontos importantes da fé e liturgia católica. Não é preciso ressaltar a importância de nós católicos conhecermos a doutrina garantida e ensinada pela Santa Mãe Igreja, como disse o Papa Beato João Paulo II: “O Cristocentrismo na catequese, entretanto, significa também que, mediante ela se deseja transmitir, não cada um a sua própria doutrina ou então a de um mestre qualquer, mas os ensinamentos de Jesus Cristo, a verdade que Ele comunica ou, mais precisamente, a Verdade que Ele é (Jo 14,6).   

Crer e compreender não são coisas prontas. Quando cremos, sentimos necessidade de dar razão à nossa fé, ou seja, dizer por que cremos. Quanto mais compreendermos os fundamentos de nossa fé, mais aptos estaremos para vivenciar, celebrar e testemunhar aquilo que cremos. Por isso, fiquem atentos e nos acompanhem nesta caminhada de fé.

Dica 01:

O QUE É O ANO LITÚRGICO?

O Ano Litúrgico é a celebração da vida de Jesus Cristo ao longo de um ano. A cada ano, os cristãos revivem as etapas mais importantes da vida de nosso Senhor: seu nascimento, a morte, ressurreição, ascenção e o envio do espírito Santo… No ano cilvil, somos orientados pelas estações (primavera, verão…) e pelas festas cívicas (Carnaval, Dia das mães…); no Ano Litúrgico, nossa caminhada de fé é marcada pelos momentos fortes da vida do Senhor.

O Povo da primeira Aliança, o povo judeu, também tinha (e tem) seu Ano Litúrgico. No começo, o ritmo da vida deles era marcado pelas festas ligadas à terra: mudança de uma pastagem a outra, primeiros frutos, colheita de cevada, ceifa de trigo etc. Com o passar do tempo, incorporaram a essas festas fatos da vida nacional, criando outras celebrações: a páscoa se tornou comemoração da libertação do Egito; Pentecostes celebrava o dia da entrega da Lei.

A expressão “Ano Litúrgico” começou a ser usada no século XIX, quando surgiu o Movimento Litúrgico. Esse movimento para a renovação da Liturgia foi coroado no Concílio Ecumênico Vaticano II (1962-1965).

COMO SE DIVIDE O ANO LITÚRGICO?

Sendo a celebração da vida de nosso Senhor ao longo de um ano, o Ano Litúrgico tem etapas, e com elas nós avançamos e somos indroduzidos no coração do projeto de Deus.

Há dois modos de perceber a organização do Ano Litúrgico:

  • O Primeiro se caracteriza por ciclos. Ciclo é um “período em que ocorrem fatos históricos importantes a partir de um acontecimento, seguindo uma determinada evolução”. O primeiro fato histórico importante da vida de nosso Salvador é seu nascimento, o Natal. Portanto, Ciclo do Natal. O fato mais importante está cercado de outros acontecimentos que o precedem e o seguem. Dessa forma, o Ciclo do Natal está composto da seguinte forma: Advento, Natal, Sagrada Família, festa da Mãe de Deus, Epifania e Batismo do Senhor. O segundo fato histórico importante é a Páscoa. Temos, portanto, o Ciclo da Pàscoa, assim formado: Quaresma, Semana Santa, Tríduo Pascal, Páscoa, domingos da Páscoa, Ascenção e Pentecostes. Temos, ainda, o período mais longo do ano, com 34 (33) domingos, chamado de Tempo Comum.
  • O Segundo modo de perceber a organização do Ano Litúrgico é por tempos: Tempo do Advento (4 domingos antes do Natal) Tempo do Natal (até o Batismo do Senhor), Tempo da Quaresma (5 domingos mais semana santa), tempo Pascal (da Páscoa até Pentecostes) Tempo Comum (34 Domingos, assim distribuídos: da festa do Batismo do Senhor até o início da Quaresma; de Pentecostes até o 34º Domingo do tempo Comum). 

COMO COMEÇA E QUANDO TERMINA O ANO LITÚRGICO?

O Ano Litúrgico não segue o calendário civil. Começa antes e, portanto, termina antes. Sendo celebração da vida de nosso Senhor ao longo de um ano, é lógico começar pela preparação ao seu nascimento. Por isso, o primeiro domingo do Advento marca o início do Ano Litúrgico. E, consequentemente, a última semana do tempo Comum é também a última semana do ano litúrgico. No 34º domingo do Tempo Comum celebra-se, todos os anos, a solenidade de nosso Senhor Jesus Cristo, Rei do Universo. É a coroa do Ano Litúrgico, que parte da encarnação e termina na glorificação.